4 de abr de 2015

Resenha: Morte Súbita


Título: Morte Súbita
Título Original: The casual vacancy
Autora: J. K. Rowling
Editora: Nova Fronteira
Nº de páginas: 501
 4/5

Quando Barry FairBrother morre inesperadamente aos quarenta e poucos anos, a pequena cidade de Pagford fica em estado de choque.
A aparência idílica do vilarejo, com uma praça de paralelepípedos e uma antiga abadia, esconde uma guerra.
Ricos em guerra com os pobres, adolescentes em guerra com seus pais, esposas em guerra com os maridos, professores em guerra com os alunos Pagford não é o que parece ser à primeira vista.
A vaga deixada por Barry no conselho da paróquia logo se torna o catalisador para a maior guerra já vivida pelo vilarejo. Quem triunfará em uma eleição repleta de paixão, ambivalência e revelações inesperadas? Com muito humor negro, instigante e constantemente surpreendente, Morte Súbita é o primeiro livro para adultos de J.K. Rowling, autora de mais de 450 milhões de exemplares vendidos.


Esse livro está participando do Desafio Literário 2015, como "Um livro baseado em ou que deu origem a uma série de TV".

Bom, o livro já tem um título bem sugestivo. Ele começa com a Morte Súbita de Barry FairBrother, que participava do Conselho da pequena cidade de Pagford, no interior da Inglaterra.
A morte de Barry afeta todos na cidade, principalmente pelo fato dele ter deixado uma cadeira vaga no Conselho. A partir daí é uma competição para ver quem ocupará o lugar de Barry. De um lado, seus amigo, que querem dar continuidade as suas ideias e, do outro lado lado, aqueles que nunca concordavam com o que Barry fazia e aproveitaram a oportunidade para mostrarem as suas próprias ideias..

Morte Súbita nos mostra uma extensa ficha de personagens, cada um com suas singularidades. Ele mostra as versões de um único acontecimento, em vários pontos de pista diferentes.

J. K. cria personagens muito parecidos com o que conhecemos no nosso dia-a-dia. O filho rebelde, a vadiazinha da escola, a família "perfeita", os fofoqueiros, o marido que bate na esposa dos filhos, aquele que luta pelas causas nobres, a mulher insatisfeita com o casamento e outros. Ela mostra que nem tudo é o que parece e que ninguém é totalmente bom, nem totalmente ruim. Não existe essa coisa de "quem é do bem" e "quem é do mal".

Até a metade do livro, tudo é muito monótono, você perde a vontade de ler, mas depois algumas coisas vão acontecendo, que ligam um fato ao outro e vai tornando o enredo bem mais interessante.

O final do livro é tão surpreendente que o torna muito bom, compensando o início.

Se você leu HP, pode notar uma diferença gritante entre ele e Morte Súbita. Tão grande que nem parecem terem sido escritos pela mesma pessoa.

SE VOCÊ QUISER UM SPOILER, SABE O QUE FAZER: CRYSTAL SE MATA!

Um comentário:

  1. Adorei a resenha, não sei porque criticam tanto esse livro, parece ser ótimo =D

    ResponderExcluir