11 abril 2016

Resenha: O Lado Bom da Vida


Título: O Lado Bom da Vida
Título Original: Silver Linings Playbook
Autor: Matthew Quick
Editora: Intrínseca
Nº de páginas: 256
Skoob
 5/5
Pat Peoples, um ex-professor na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele “lugar ruim”, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um "tempo separados". Tentando recompor o quebra-cabeças de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com seu pai se recusando a falar com ele, a esposa negando-se a aceitar revê-lo e os amigos evitando comentar o que aconteceu antes da internação, Pat, agora viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida. Uma história comovente e encantadora, de um homem que não desiste da felicidade, do amor e de ter esperança.


Sabe aqueles livros que você fica se perguntando “Por que eu ainda to lendo isso?”? Pois bem, foi isso que aconteceu comigo enquanto eu lia O Lado bom da Vida, mas o incrível foi que quando chegou no final eu fiquei me perguntando “Como assim? Já acabou? Eu não quero que acabe.”

Neste livro conhecemos a história de Pat Peoples, um homem viciado em exercício físico, obsedado pela ex-mulher, que foi internado em um hospital psiquiátrico, mas que não se lembra do porquê de estar ali e o motivo de sua ex-mulher ter pedido um “tempo separados”.

Pat, com o passar do tempo tenta recuperar os pedaços de sua memória, com ajuda de terapia, que ao conhecer Tiffany, uma mulher que passou por um problema parecido com o seu, irá tentar descobrir O Lado Bom da Vida (:

Esse livro é diferente de tudo o que eu já li. A primeira impressão que eu tive dele não foi muito boa, mas ao longo da narrativa foi ficando cada vez melhor.

O livro é narrado com Pat, que, na minha opinião, é um narrador maravilhoso Em algumas partes do livro eu não sabia se era Mathew Quick ou Pat Peoples, uma pessoa real, que estava contava narrado. É totalmente envolvente, divertido e inovador.

“- Isso talvez faça cócegas – diz Tiffany antes de deslizar sua gilete rosa de mulher sobre o creme de barbear que cobre meu peito, e então me mostra quanto pelos há na xícara dentro da qual ela enxágua a lâmina. Estou deitado sobre uma esteira de ioga, o meio do estúdio de dança. Meu peito está coberto por uma espécie de gel de barbear verde de aloe vera que fica branco quando você faz espuma. Ser raspado por Tiffany me dá uma sensação estranha, já que eu nunca fui barbeado por uma mulher e nunca raspei o peito. Quando ela me cobre de espuma, fecho os olhos e meus dedos das mãos e dos pés começam a formigar descontroladamente.
Eu meio que dou uma risadinha toda vez que ela raspa uma faixa de pelos do meu peito.
Eu meio que dou uma risadinha toda vez que ela raspa uma faixa de pelos das minhas costas.
- Queremos que esses músculos brilhem como o sol no palco, certo?
- Por que não posso simplesmente usar usam camisa? – digo, embora, de um jeito estranho, eu secretamente goste de ser raspado por Tiffany.
- O sol por acaso usa camisa?
O sol também não usa calça de malha amarela, mas não comento isso.”


Não sou fã, nem de longe, desse gênero literário, mas O Lado Bom da Vida me fez enxergar esse estilo de maneira diferente. Os personagens são únicos e cativantes.

Um dos as aspectos que eu menos gostei, mas que é, basicamente, o tema principal do livro, é a grande-hiper-mega-gigantesca obsessão de Pat por sua ex-mulher, Nikki. Tudo que ele faz é pensando nela. Simplesmente tudo. E ainda por cima ele tem que aguentar um drama familiar e se o time pelo qual torce (Ahhhhhhhh! Ahhhhhhh! Ahhhhhhh! E!A!G!L!E!S! EAGLES!) vai ou não ganhar a temporada. O Lado Bom da Vida é super recomendo. Um livro para todos os tipos.
“Uma história encantadora sobre amor, loucura e Kenny G.”


SPOILER: Na verdade, Nikki traiu ele na banheira d casa deles.

2 comentários:

  1. Estou com este livro desde 2014 e ainda não li mas já me falaram que é ótimo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele vale muito a pena. E nada comparado ao filme.

      Excluir