22 de ago de 2016

Resenha: Pensei que fosse verdade


Título: Pensei que fosse verdade
Título Original: What I Thought Was True
Autor: Huntley Fitzpatrick
Editora: Valentina
Nº de páginas: 336
SKOOB
 4/5

A ilha de Seashell esconde muitos segredos dos seus velhos e novos moradores. Conhecida como o paraíso pelos turistas, tudo que Gwen quer é ir embora dela e deixar seu passado para trás.

Gwen Castle é filha de uma faxineira e do dono de uma lanchonete meia boca. Seu irmão mais novo, Emory, tem um problema parecido com o autismo, mas que nunca foi diagnosticada pelos médicos e é totalmente dependente dela. Seu avô, Ben, é um velho português, que é viciado em pescar lagostas ilegalmente e para completar o time, tem seu primo Nic Cruz.

A família de Gwen é o que chamamos de “disfuncional” e faz parte do lado pobre da cidade, a parte dos faxineiros, cortadores de grama, cozinheiros e acompanhantes.
A garota teve que seu futuro seja como o de seus pais, que se tornaram pais muito cedo e foram condenados a viver na ilha pelo resto de suas vidas para sustentar os filhos e a família. A não ser isso, algo que aconteceu há alguns meses envolvendo Cass Somers, o filho de um dos ricões da ilha, faz despertar ainda mais o desejo de Gwen de fugir.

Infelizmente, Cass está de volta e ele é o novo faz-tudo da ilha, trabalho que ele não precisa, mas que foi obrigado pelo pai para aprender alguns "valores". Assim, Gwen é obrigada a topar com ele todos os dias, fazendo muito difícil a tarefa de deixar o passado realmente no passado. Além do fato dela ter que dá aulas para ele de literatura e de que ele parece ser a única pessoa capaz de ensinar Emory a não ter medo do mar.

E agora? Como Gwen poderá resistir ao garoto que a faz se sentir de uma maneira que ela nunca se sentiu antes? Segredos, traições, mistérios e romance. Parece que esse verão em Seashell não será como nenhum outro.

Gwen tem uma reputação em Seashell. É conhecida por dormir com os caras do time de natação e namorar playboys. Mas o que as pessoas não sabem é que Gwen é apenas uma garota que teve algumas relações ruins. Quando ela se envolve com Cass e acaba de maneira ruim, Gwen não quer mais saber do garoto. Mesmo que ele volte como se nada tivesse acontecido, tentando se aproximar dela de novo.

Em paralelo a esse romance, temos a vida de Gwen sendo desenrolada de uma maneira que ela nunca imaginou. Nesse verão ela é contratada pela Sra. E., uma velha quase na casa dos noventa, que adora passeios na praia e livros de romance erótico. Tomando conta da Sra. E., Gwen irá aprender alguns valores muito importantes.

O livro é cheio de dramas característicos da adolescência. Para onde ir depois da escola? O que fazer na faculdade? Estou preparada para largar a minha família e sair da ilha sem olhar para trás? Dramas e questões sobre o primeiro amor, sobre imagem social e coisas do tipo.

Eu acho Huntley uma autora meio confusa. Os livros dela são cheios de diálogos complicados, cenas e personagens complexos. Ela também adora colocar questões moralistas em seus livros, deixando suas mocinhas em um beco sem saída entre o moral e o não. Foi assim com ‘Minha vida mora ao lado’ e é assim com ‘Pensei que fosse verdade' também.

Gwen é uma personagem bem diferente e pouco clichê. É uma garota contraditória, corajosa, forte, cheia de personalidade, decidida e que não se deixa importar pela opinião da maioria. Cass é um personagem que sabemos pouco dele. Apenas o que Gwen nos deixa saber e isso não foi muito legal. O livro já começa com Gwen conhecendo Cass, então não temos aquela fase de conhecer o personagem e sabermos se gostamos ou não dele. Cass também foge do clichê de mocinhos, com seu jeito doce e meio "avoado".

Além dos dramas morais e não envolvendo os personagens principais, também somos envolvidos com os personagens secundários (que eu achei muito mais interessantes). Temos Vivien, a melhor amiga de Gwen e namorada do seu primo, Nic Cruz. Temos Spence, melhor amigo de Cass. Além de Emory, que nos conquista totalmente. A Sra. E., a própria mãe de Gwen, seu pai e várias outras pessoas que se metem nessa teia de segredos sem sim.

É um livro envolvente, mas que não tem uma narrativa fluida. Huntley tem um estilo de escrita de "dia-a-dia" que torna a leitura um pouco cansativa. É como se o tempo não tivesse passando. É uma narração de todo o dia de Gwen, tudo que acontece nos mínimos detalhes e as vezes tudo que você quer ler é "No dia seguinte..."

O livro é cheio de revelações que nos deixam boquiabertos. Não é um livro clichê, pelo desenrolar da história. Na verdade, foge das expectativas e isso é muito bom, porque quando esperamos uma coisa, acontece outra. Aí quando achamos que podemos adivinhar o que vai acontecer, outra coisa acontece e nos deixa ainda mais surpresos.

Um grande problema foi o final muito inconclusivo. O livro nos enche de perguntas, que nos deixam curiosos para encontrar as respostas no final e, acabamos não encontrando. Foi uma coisa ruim e boa ao mesmo tempo. Fiquei com enorme sensação de vazio no final desse livro. Foi ruim porque eu odeio livros assim, mas foi bom para que pudéssemos dar o futuro que quiséssemos aos personagens.


Para quem leu ‘Minha vida mora ao lado’ segue a mesma vertente e quem não leu, é uma ótima oportunidade para conhecer a autora.




SPOILER: Há três meses, Gwen acha que Cass a usou para perder a virgindade.

4 comentários:

  1. Gosto muito de livro cheios de dramas, como o li o ultimo livro dessa autora e apreciei bastante a história, quando soube do lançamento desse livro fiquei super entusiasmada com a leitura. A trama não é das melhores, mas da para notar que a autora conduz o desenrolar dos personagens de uma forma cativante e envolvente, pretendo com certeza da uma chance a essa leitura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, essa é uma característica forte de Huntley.
      Obrigada pelo comentário.
      Beijos!

      Excluir
  2. Lilian!
    Não li nada da autora ainda e não achei o enredo lá essas coisas.
    Ando bem seletiva para leitura, mas não descartaria por total.
    Bom final de semana!
    “Não há saber mais ou saber menos: Há saberes diferentes.” (Paulo Freire)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de agosto com 3 livros 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir