26 novembro 2016

Resenha: Ligeiramente Casados


Título: Ligeiramente Casados (Os Bedwyns #1)
Título Original: Slightly Married
Autor: Mary Balogh
Editora: Arqueiro
Nº de páginas: 288
SKOOB
 4/5
À beira da morte, o capitão Percival Morris fez um último pedido a seu oficial superior: que ele levasse a notícia de seu falecimento a sua irmã e que a protegesse "Custe o que custar!". Quando o honrado coronel lorde Aidan Bedwyn chega ao Solar Ringwood para cumprir sua promessa, encontra uma propriedade próspera, administrada por Eve, uma jovem generosa e independente que não quer a proteção de homem nenhum.
Porém Aidan descobre que, por causa da morte prematura do irmão, Eve perderá sua fortuna e será despejada, junto com todas as pessoas que dependem dela... a menos que cumpra uma condição deixada no testamento do pai: casar-se antes do primeiro aniversário da morte dele o que acontecerá em quatro dias.
Fiel à sua promessa, o lorde propõe um casamento de conveniência para que a jovem mantenha sua herança. Após a cerimônia, ela poderá voltar para sua vida no campo e ele, para sua carreira militar.
Só que o duque de Bewcastle, irmão mais velho do coronel, descobre que Aidan se casou e exige que a nova Bedwyn seja devidamente apresentada à rainha. Então os poucos dias em que ficariam juntos se transformam em semanas, até que eles começam a imaginar como seria não estarem apenas ligeiramente casados...  


Coronel lorde Aidan Bedwyn devia algo ao Capitão Percival Morris. Percy havia arriscado a vida para salvá-lo e mesmo o capitão não cobrando nada, coronel Bedwyn sabia que um dia ele teria que devolver o favor. E o dia chega quando Percy está no leito de morte e pede três simples desejos a Bedwyn. Primeiro: que fosse ele a avisar sua irmã sobre a sua morte. Segundo: Que não permitisse que ela ficasse de luto por ele, já que a garota havia perdido o pai recentemente e estava saindo do luto. Terceiro: Que ele a proteger, custe o que custa. E Bedwyn honraria aquela promessa.

Como um homem de palavras, Aidan viaja até o campo, onde Eve Morris mora para realizar os desejos do irmão dela, infelizmente, Aidan não sabia que manter sua palavra poderia acarretar em consequências muito maiores.

Depois de achar que cumpriu seu dever, ele logo descobre que a fortuna e a casa dos pais foi herdada por Eve apenas pelo período de um ano e logo passaria para seu irmão se ela não se casasse até o final do prazo, mas por conta da morte prematura dele, tudo iria para a mão do primo, Cecil Morris, que desprezava a prima e todos que moravam na casa. Infelizmente, Eve só teria quatro dias para que Cecil tomasse o solar de suas mãos. Mas Aidan tinha uma promessa para cumprir. Proteger Eve custe o que custar. Por isso, a única ideia que pode lhe ocorrer é casar com ela.

A ideia seria absurda se Eve não tivesse onde cair morte, juntamente com todas as pessoas que acolheu sob seus cuidados. Duas crianças órfãs que eram como filhos para ela, uma professora com um filho bastardo, sua tia que também não tinha aonde viver e vários outros empregados que não tinham perspectiva de vida antes de conhece-la. Movida pelo desespero, Eve concorda com o casamente de conveniência.

A proposta acertada por eles dois é que depois das núpcias Aidan voltaria para Londres, onde terminaria sua licença com sua família, depois voltaria para o exército e Eve continuaria com sua vida. Porém, Eve se casou com um lorde de uma família muito influente e poderosa e assim que o irmão mais velho de Aidan, o duque de Bewcastle exige que Eve seja levada á Londres para cumprir seus deveres como esposa de um lorde e uma Bedwyn. Eve concorda na esperança de revolver o favor que seu novo marido havia feito quando se casara com ela, o que os dois não esperavam era que durante essa estadia em Londres, os dois acabassem cedendo as paixões carnais e acabassem um apaixonado pelo outro. Seria possível um casamento de conveniência acabar em uma experiência inesquecível de amor e paixão?


Um livro surpreendente. Ligeiramente casados é cheio de reviravoltas, com uma narrativa bem feita e um enredo bem desenvolvido.

Eve é uma personagem que engana. Logo de cara, achei que ela era uma mocinha indefesa e sentimental. Acolheu em sua casa várias pessoas que não tinham onde cair morta e mostra piedade por todos. Mas logo ela mostra a Aidan quem verdadeiramente é. Uma mulher forte, corajosa, que não tem papas na língua e que não tem medo de enfrentar o severo e arisco coronel.

Coronel Aidan é um homem que não sorri, não gosta de humor, não gosta de lágrimas, um homem frio, duro, severo, que quer sempre que as coisas sejam do seu jeito. Não é muito próximo da família e não demonstra sentimentos com facilidade.

Os dois juntos são tão diferentes que é impossível não acreditarmos naquela frase que fiz: os opostos se atraem. Os dois são marido e mulher, porque não aproveitar um do outro, enquanto têm tempo? O problema é que a paixão começa a virar a amor e nenhum dos dois está preparado para as consequências que isso pode trazer.

O livro, mesmo de época, é bem contemporâneo, cheio de coisas novas que não se vê muito em livro de época. Temos uma mocinha diferente. Ela é experiente, nada tímida, ousada e sabe o que quer. Um protagonista que vemos ter o coração amolecido pelo amor e totalmente apaixonante.



Achei o livro muito bom, o único problema foi que acabei não me envolvendo muito. Não foi uma história que me prendeu. O enredo é muito bom e a narrativa também, mas faltou isso. A maneira que o autor consegue prender o leitor em cada página. O suspense, a tensão. Enfim, recomendo.




SPOILER: Ele sai do exército e fica com ela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário