01 março 2017

Resenha: Ó, O Globo!

Título: Ó, O Globo!
Autora: Ana Beatriz Manier
Editora: Valentina
Nº de páginas: 192
SKOOB
 4/5 
Sou um ícone da carioquice, um amigo de infância, dizem até que já sou membro da família. Memória gustativa de 99,9% dos que no Rio de Janeiro vivem, viveram ou viverão. Sou repleto de curiosidades. Estreei por aqui no Aterro do Flamengo, fiz fama em Botafogo. Sou sessentão, mas nem pareço. Sou redondo e farelento, com muito orgulho. Sempre fresquinho, só ando de verde ou vermelho. Tem quem goste de mim bem bronzeado. A maioria me prefere salgado. O mate é meu melhor amigo, somos quase inseparáveis. Adoro praia, estou sempre no Maracanã, não importa qual time esteja em campo. É verdade o que dizem por aí, não circulo por rua pouco movimentada. Embora meus pais tenham raízes espanholas e portuguesas, sem mandioca eu nada seria. Detesto publicidade, “Pra quê?”, pergunto, “Se já sou tão querido!” Metido a iguaria, frequento festas descoladas, mas não perco as infantis, não mesmo. Tenho um parente que vive tentando me imitar, nem ligo. Sou saudável e nutritivo, pode me traçar sem culpa. Uns gostam, outros me adoram. Há até os que me idolatram, é sério (afinal, sou global). Bem, há um ianque que me detesta, lá em Nova York, tá out ele. Minha receita de sucesso? Sou feito com muito amor e carinho.


Antes de tudo, preciso confessar que fazer essa resenha vai ser extremamente difícil, porque o livro não se trata de um romance e sim de um livro de "memórias" sobre a história do Biscoito Globo, que se tornou patrimônio cultural da cidade do Rio de Janeiro e que é difícil alguém não conhecer ou nunca ter ouvido falar.

Não vou aqui descrever as histórias que são contadas, porque aí perderia a beleza do livro, mas vou dizer como a autora (maravilhosa, diga-se de passagem) trilha o caminho que o biscoito fez com o passar dos anos e seus principais anos.

Para começar, preciso agradecer muuuito á Ed. Valentina que me presentou com um pacote de Biscoito Globo e dizer que eu amei e consegui entender porque faz tanto sucesso.


Enfim, como era de esperado, a autora começou o livro com a história da família de onde saiu o criado (ou o prosperador) do biscoito. Uma coisa muito interessante e que eu achei um dos pontos mais fortes, é que a autora faz uma contextualização história maravilhosa com os fatos. E como apaixonada por história, não pude deixar de amar.

Além das histórias envolvendo o surgimento do biscoito, a autora nos traz várias curiosidades de como essa marca se tornou além de um petisco das praias, uma marca da família do Rio de Janeiro e que todo mundo conhece.

O livro é cheio de curiosidades sobre o tipo do biscoito, as embalagens ao passar dos anos, histórias sobre ambulantes, sobre os consumidores, receita e modo de preparo, tudo muito especial. Conta ainda com depoimento durante os capítulos e uma parte dedicada só para curiosidades de coisas envolvidas com a história. É uma curiosidade mais interessante que a outra.

Uma das coisas que eu mais gostei nesse livro foi a narrativa leve e contagiante da Ana Beatriz Manier que foi um dos pontos mais positivos desse livro. Ela nos empolga, é quase palpável a animação dela ao falar sobre a história e as outras coisas. Ela usa palavras fáceis, um linguajar entusiasmado e deixa a leitura muito fluida.

Mesmo se tratando de um livro de um gênero que as pessoas não se interessam muito, Ó, O Globo vale muito a pena. Não é chato, não é maçante. Muito pelo contrário.

E eu já falei o encarte de fotos que tem no meio do livro? Não? Pois bem. Ele ainda conta com um encarte cheio de fotos e fatos legais.

Não percam a oportunidade de conhecê-lo. Beijos!

"Sempre consumi o Biscoito Globo que é de polvilho torradinho. Antes no pacote de papel, hoje já se modernizou com a embalagem plástica, mas sem perder a sua famosa logo que inspirou cangas e toalhas de praias e outros objetos. O Biscoito Globo é e será sempre eterno como a Garota de Ipanema. Será não a minha, mas a nossa história.
Parabéns por tantos anos fazendo sucesso. Viva o Globo!
Beijos sabor de polvilho."
Helô Pinheiro, a trna garota de Imanema, empresária (cariosa da gema)

2 comentários:

  1. Ahh que delícia! Amo esse biscoito! Não conhecia o livro! Um grande bjo!
    www.nadaconfidencial.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito feliz por ser aquela a te apresentar. Beijos!

      Excluir